Baseado em fatos reais.

Há algum tempo atrás, um inocente juvenil criado a leite com pêra estragada chamado Helton resolve comer a maior vina (ou salsicha, whatever) que estava ali, lhe seduzindo para a gula. O problema é que ele não sabia que a nefasta, diabólica, infernal e obscura salsicha estava… estragada! *música de suspense!*

Não demorou muito para que o efeito da salsicha maligna começasse. O pobre cheirador de meias (e conseqüentemente lunático, portanto, blogueiro do No~Reason) Helton ficou com a cara I-DÊN-TI-CA à cara da guria do Exorcista. Devastação! Guerra! Sangue! Horror! Uma multidão se alastrava ao redor de Helton! O lazarento começou a se contorcer de tanta dor. Sua face estava verde como a do Máskara. Não havia remédio nessa porra de bola azul chamada Terra que o curasse de tamanho sofrimento!

– E agora, quem poderá me salvar? – implorou o filho duma égua.

De repente, um vulto aparece no céu, cortando as nuvens. Ele pousa em frente ao comedor de salsichas estragadas. A multidão ao redor de Helton começou a indagar: quem é ele? é o Super Homem? é o Batiman na Feira da Fruta? é o Jaspion? é o National Kid? é o Dr. Gori? NÃO! Só poderia ser… O INCRIVELMENTE FÉTIDO HOMEM-CAGADA!

Não tema, filho! O Homem-Cagada veio lhe socorrer!, disse o destemido Homem-Cagada.

Thank you! – respondeu Helton, como se fosse um daqueles ovos de Yoshi resgatados no Mario World.

O Homem-Cagada estava prestes a entrar em ação. Ele abriu a sua Maleta de Merda e pegou o seu Lactopurga 3.0, diretamente retirado dos testes da ALAEM –Associação Latino-Americana de Especialistas em Merda.

Vencendo a luta contra a salsicha ou não, ali estava um cabra-macho, pronto para tudo o que pudesse acontecer. Seu gesto heróico seria lembrado por todos para sempre (principalmente pelo Rafael).

O Helton tomou 5 Lactopurgas (só pra garantir). Ele cagou. E cagou. E cagou mais. Cagou tanto que pensou que havia cagado o pescoço, o pâncreas e um pingüim sem cabeça assado que ele comeu há 1 semana atrás…

Merda, fedor, salsichas, glória, terror, vitórias, derrotas, pingüins sem cabeça: tudo isso você leu nesse post, mil vezes melhor do que Crepúsculo.