Isso é um Chester.

Eu li a Superinteressante desse mês, e me deparei com uma coisa, er... superinteressante: um texto que explica o que diabos é um Chester. Yeah, um Chester, aquele prato típico de Natal que a Ana não gosta. Adivinha só: o tal do Chester nada mais é do que um frango. Desengonçado, mas um frango.

A história do frango-grande-e-desengonçado-que-quase-todo-mundo-come-no-Natal começou há 30 anos atrás, quando um executivo da Perdigão quis criar uma alternativa para o peru natalino da concorrente Sadia, que estourava nas vendas. O cara mandou dois técnicos para os fuckin' EUA, que voltaram com 11 linhagens de galinha escocesa. Essas galinhas foram para uma granja em Tangamandápio Tangará, no interior de Santa Catarina. A granja ficava protegida contra contaminação e garantia sigilo. Após 3 anos de desenvolvimento, surge em 1982 o tão famoso Chester – do inglês chest ("peito"). Anos depois, surge o Fiesta, outro frango superdesengonçado (ou o popularmente chamado "Chester da Sadia").

Mas e você, já viu um... ovo de Chester? Não? Pois é, nem eu. Os ovos de Chester são raros para pênis (assim como fotos de Chester na Internet). A produção desses fuckin' frangos mutantes é controlada e a venda proibida, só pra manter o lazarento exclusivo da Perdigão. Diz a marca que o Chester é alimentado com milho e soja, sem medicamentos, antibióticos ou anabolizantes.




Só pra relembrar: isso é um Chester.

Agora você sabe o que é um Chester.

(Fuck, quantas vezes eu disse "Chester"?)

Cheerio! o/