Texto postado em Imbecil e Inexperiente no dia 14 de novembro de 2011.

Vou deixar a parte menos pior do texto mais pro final. Mesmo assim, duvido que alguém tenha saco pra ler tudo isso.

Desde sempre me elogiam, dizendo que sou muito inteligente. Pulei o Jardim I, o Jardim II, o Jardim III e o Pré. Posso até ser inteligente, mas ao mesmo tempo também sou burra pra caralho.

Quando criança, eu era o Dexter. Não o Dexter daquele seriado escroto, mas o Dexter do desenho: baixinha, subestimada e nerd. E todos os meus "coleguinhas" eram, na minha visão -- que até então não era míope --, a Dee Dee. Muitas vezes fiz a pergunta retórica: "será que sou um gênio ou todo mundo é burro mesmo?"

Um causo antigo, dos tempos da creche do Jardim-X (não lembro se era o I, II ou III) é este: estava no refeitório da creche, e já havia terminado de comer o lanche. Lá tinham aqueles bancos inteiriços, sabe? Eu queria sair dali, mas um pequeno ser atrapalhava meus movimentos. Então, pedi licença.

- Licença.
- Não é assim que fala!, disse o energúmeno -- que por sinal era mais velho do que eu.
- Então, como que fala?

Eis que o futuro viadinho proferiu os seguintes dizeres:

- "COM LICEN-ÇA, A-MI-GUI-NHO!" (sim, ele disse exatamente assim)
- Por quê? O.o
- Porque a tia ensinou assim!

A pequena lenhadora de bonsai que eu era ligou o foda-se pela primeira vez.

"Ah, vai te catá", disse a Ana de 4 anos, derrubando o moleque de 6, aspirante à homoafetividade.

Lendo isto, talvez alguns pensem: "Nossa, você deve ser inteligente pra caramba, Ana. Você deve saber de tudo!"

Sei nada. Minha coordenação motora é quase nula. Aprendi o que era inércia aos 6 anos, mas só aprendi a amarrar o tênis aos 15. Sim, aos quinze! Deixe-me repetir: QUINZEEEE! Quando o tênis desamarrava, eu dava um nó muito escroto que só eu conseguia fazer. Sabe Deus como aprendi.

Já queimei miojo umas duas vezes. Minhas panquecas são um verdadeiro desastre culinário. Mas dá pra viver de pão com margarina. Seguindo a lógica (de aprender coisas de 15 em 15 anos), vou aprender a cozinhar razoavelmente aos 30, e assim sucessivamente.

And here's the funny part!

Ontem estava vendo o stand-up "Raw" do Eddie Murphy. Tem legendado completo no YouTube, se quiser assistir vá procurar, malaco. E em uma parte da apresentação, Murphy disse que tinha a altura de 1,55. Então me lembrei de seu filme, Norbit, onde o mesmo é um loser de black power que não sabe andar de bicicleta -- e quando tenta, acaba se fodendo.

Aí, me identifiquei:

Meço 1,55. Quando acordo, meu cabelo é um verdadeiro arbusto fodido, digno de Sideshow Bob. Também não sei andar de bicicleta, e quando tento, as consequências são desastrosas.

Sempre gostei muito de assistir Mr. Bean. Não apenas porque é engraçado, mas porque sempre me identifiquei com o personagem do Rowan Atkinson. Afinal, o Bean é só um cara desajeitado que resolve seus problemas do seu jeito, nem que seja da forma mais desastrada possível. De poucas palavras e desprovido de "lógica socialmente aceitável", ele consegue se virar e se dá bem na vida. Troque "Bean" por "Ana" e tudo se encaixa perfeitamente!

Lembra do episódio que ele resolve fazer uma festinha em casa, e que ele não tinha nada pra servir de comida, aí ele se virou fazendo a maior zona na cozinha? Aquilo sou eu cozinhando. Ou ainda, o episódio em que ele vai fazer compras, e ele fica parado na escada rolante? Aquilo sou eu no shopping. Quer outro exemplo? Ele sacaneando as crianças -- sou eu. Consigo até imitar a dança dele, quando ele vai na discoteca e vê a namorada dançando com outro cara. E sim, fiquei triste quando destruíram o Mini Cooper do Mr. Bean!





Não achei nada decente do Norbit, então foda-se.

Mas eu juro que sou todo esse conjunto da obra aí.